Compliance e Cultura Organizacional

Publicado em: 10/10/2019

Por que investir na ferramenta? Como o compliance se tornará perene e contribuirá para que sua organização também seja?

Por que investir na ferramenta? Como o compliance se tornará perene e contribuirá para que sua organização também seja?

Carolina Ferro Victor

 

Em resposta à constante deflagração de operações contra crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, sonegação fiscal e correlatos, o compliance espalhou-se como o meio adequado de promoção da conformidade no meio empresarial.

De fato, a situação ética do país atribuiu esperança por novos níveis de integridade, honestidade e transparência à ferramenta. E, neste contexto, para além de oportunidades no mercado profissional, palestras, cursos, treinamentos e especializações surgiram e contribuíram para a difusão das boas práticas de compliance em curto tempo.

A conjuntura resultou em divulgações corriqueiras do passo a passo para implantar e gerir o compliance nas organizações. Hoje, ao dialogar com empresários e administradores, não é incomum que saibam os mecanismos de prevenção, detecção e resposta às práticas não éticas. Na verdade, as matérias e notícias frequentes lhes permitiram memorizar as etapas que compõem o projeto de compliance e, em reuniões, por pouco não se inicia um coro sequencial de que as ações contemplam: a) a obtenção do suporte da alta administração; b) o mapeamento e gerenciamento de riscos; c) a elaboração de código, políticas e normativas; d) o canal de denúncias; e) o monitoramento do programa etc.

Contudo, a propagação de informações repetidas do como se faz um projeto de compliance provocou, sobretudo, o esquecimento do porquê integrar a ferramenta na gestão de qualquer organização. Não apenas a ausência do porquê, o cenário também proporcionou a expectativa de que, tal qual uma receita de bolo, basta seguir ponto a ponto dos guias de compliance para um resultado satisfatório. Diante das constatações supramencionadas, como o profissional de compliance integrará de fato a ética à cultura organizacional, extrapolando a função burocrática da ferramenta?

Portanto, o objetivo dos próximos textos se concentrará, sobretudo, na análise da inserção de uma efetiva dimensão cultural nos programas de compliance, minimizando a constituição de meras pilhas de papéis.